A encruzilhada de Rudy Giuliani

21 01 2008

João Esteves

A política actual pauta-se pela existência de numerosas fórmulas abstractas, de teorias eleitorais, de cálculos, números e mais números.

Assim, os políticos contemporâneos aderiram entusiasticamente e (quase) acriticamente a esta moda do cientismo, dos comportamentos explicados pelo raciocínio lógico – sem espaço para aquilo que distingue, afinal, o ser humano: a imprevisibilidade.

Rudy Giuliani partiu para as eleições primárias republicanas como o mais plausível vencedor, apenas com a concorrência de McCain. De facto, a credibilidade e o capital de confiança político que obteve pela sua actuação como mayor de Nova Iorque, concatenando com o facto de assumir posições mais moderados em temas como a homossexualidade ou o aborto face aquilo que é o padrão tradicional do GOP, posicionaram-no como o mais apto para disputar a presidência dos EUA com o candidato democrata. Assim era.

Hoje, o cenário é diferente. Giuliani confiou na teoria segundo a qual o que importa é ganhar nos estados mais populosos, pois aí é que se elegem mais delegados. Logo, qual o interesse dos estados como Iowa ou Michigan? Nenhuma, segundo aquele candidato.

Creio que este é um tremendo equívoco.

Em política, mormente num processo dinâmico como as primárias norte – americanas, não há dados consumados nem fenómenos explicados exclusivamente à luz da matemática. É certo que Giuliani concentrou meios e esforços com vista à designada ” Super terça – feira”. É certo que em alguns estados a sua putativa base de apoio é maioritária. Porém, esqueceu-se de dois aspectos.

Em primeiro lugar, que numa campanha eleitoral o elemento simbólico pode vir a ser determinante. Ora, uma campanha como a de Giuliani assente no mínimo possível e no estritamente necessário para vencer, denota uma falta de ambição e de conformismo que dissuade o eleitorado republicano. Ao invés, uma campanha nos moldes da de McCain, que muitos profetizaram estar condenada ao fracasso e que abruptamente recupera e afirma-se, galvaniza e entusiasma. Imprime confiança.

Em segundo lugar, Giuliani ao descurar os actos eleitorais que se realizaram até ao momento, está a ceder espaço mediático aos seus adversários, nomeadamente a Mitt Romney e McCain. Este factor é decisivo – pense-se na influência das televisões numa sociedade fortemente mediatizada como a norte – americana.

Consequentemente, vimos nos últimos dias, Giuliani a conceder diversas entrevistas e a emitir inúmeras declarações não a explicar as suas ideias políticas, o seu projecto para os EUA – mas sim a (tentar!) clarificar e justificar a estratégia da sua campanha. Ora, esta é uma imagem que desgasta e mina qualquer veleidade de vitória…

Em suma, creio que Giuliani errou na avaliação e definição da sua acção política. Agora, terá que remar contra uma maré que lhe é cada vez mais desfavorável…

Anúncios

Acções

Information

One response

21 01 2008
Apontamentos da blogosfera portuguesa « Eleições Americanas de 2008

[…] da blogosfera portuguesa A encruzilhada de Rudy Giuliani, de João Esteves no IDT Presidenciais […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: