A previsível campanha imprevisível

10 03 2008

João Esteves

Sócio ITD

Hillary Clinton averbou mais duas vitórias que considero cruciais nos estados do Texas e Ohio. Como era previsível. Aliás, o presente processo eleitoral norte – americano ( ao invés do que uma parte bastante significativa dos analistas tem preconizado) não tem registado muitas diferenças em relação àquilo que seria expectável que viesse a suceder desde o início.

Com efeito, tem-se afirmado amiúde que os resultados de Barack Obama são surpreendentes e contrários às expectativas mais optimistas efectuados no início da campanha. Discordo.

Obama revelou-se precocemente como um talento político. Tem carisma, é um orador sublime, revela bom porte. Ou seja – dispõe de todas as características necessárias para ser acolhido positivamente pelos mass media. Mais: Barack Obama representa uma ruptura absoluta e  proclama um discurso de mudança, de determinação. Tem um óbice – pouca experiência política, o que significa que só muito esporadicamente defendeu os interesses de grupos sociais influentes da sociedade norte – americano (designadamente aos hispânicos). Ora, este facto – sejamos realistas – é suficiente para lhe retirar votos e apoios não despiciendos (atente-se ao eufemismo…).

Outra ideia que tem vindo a ser criada e consolidada recentemente, é o alegado comeback de Hillary. Comeback? Porquê? Alguém, alguma vez, acreditou que Hillary ficara definitivamente excluída da luta? Creio que não…

É verdade que Obama ao arrecadar 12 vitórias consecutivas, conquistou um momentum, uma dinâmica galvanizadora – vulgarizando-se, inclusive, o termo “obamamania ” como nunca antes  ocorrera. Contudo, nem neste aspecto houve efectivamente uma surpresa – Obama venceu, no cômputo geral, os estados onde seria expectável que ganhasse.   Já Hillary, por seu turno, triunfou nos estados onde sabia ser impreterível a sua vitória – e, que por acaso, são os mais importantes: Califórnia, Texas, Ohio…

Daí que não tenha valorizado – e bem – a fase menos positiva para a sua campanha que terminou com a vitória nas primárias realizadas na passada terça – feira. Hillary não tem razões para temer – é que até a (alegada) imprevisibilidade da campanha tem sido previsível. Pelo menos, até agora…

Em suma, penso que Hillary (já tenho poucos dúvidas -devo confessar) será a candidata democrata. Explicarei porquê no próximo texto.

Anúncios

Acções

Information

One response

10 03 2008
Jose

Aí está um texto no minimo interessante , concordo com o que diz em certa parte , até ler as ultimas linhas mas cada um tem a sua opinião fundamentada .
Barack Obama não ganhou onde estava previsto , aliás estava previsto Hillary ganhar a Super Terça Feira e ficar logo com nomeada , isso não aconteceu porque Barack Obama ganhou onde Hillary esperava vencer . Nas 12 Vitorias seguidas de Barack Obama , Hillary perdeu estados que eram por definição seus “estados” e tudo apontava para a sua vitória , mais uma vez Barack Obama conseguiu surpreender Hillary . Texas e Ohio , li neste blog a tempos que Hillary necessitava de grandes vitorias no Texas e Ohio 70% contra 30% do Barack Obama para não perder as aspirações, ela venceu as primarias do Ohio por dois digitos que poucos delegados rendeu , no Texas não sei porque carga água continuam a bater no ceguinho dizendo que ela venceu !!! Surpreende-me ditos estrategistas a dizer que venceu , mas venceu o que???? Venceu as primarias mas perdeu o caucasus o que rendeu ao Barack Obama mais 3 delegados no conjunto das duas, onde ela venceu? Expliquem-me a sua grande vitoria no Texas senhores comentadores? Sejamos coerentes e justos .. Quanto a numeação acho dificil Hillary ser nomeada , varias razões a para isso , menos numeros de delegados , menos votos , menos estados e devisão do partido democratico , e ir contra o voto popular que terá as suas consequencias em Novembro . Hillary tem experiencia e outros factores que podem fazer dela uma grande presidente , mas o seu destino esta traçado , porque os super-delegados nunca apoiam uma derrotada , seria uma catastrofe para o partido e ainda pior ser um motivo para quem votou no Barack Obama nem sequer dar o seu voto a ela, como forma de desagrado , e de certeza que o partido democratico não deve correr esse risto . Kennedy perdeu Ohio e foi o venvedor das eleições . Ganhar grandes estados não segnifica que tenha o direito de atropelar os pequenos e medios o que leva a consequencia graves, ja que grandes estados que ela venceu , ja são democraticos(california, nyork etc) desde sempre e não vão mudar o rumo , Texas (republicano) , floria e ohio (nos ultimos 8 anos) tambem republicanos. Por isso afirmo que o nomeado esta encontrado , apesar de alucinações por parte de “Marks” que vêm em uma vitoria o destino de dos americanos e querem fazer uma presidente a força porque ela é fixe . A unica maneira de ela ser nomeada é atraves dos super delegados o que sera muito dificil já que paira no ar, o abandono de ilustres do partido se isso vier a acontecer… e tambem ja andam rumores que se tal acontecer Barack Obama pode ir sozinho como independente o que culmatará o fim de Clinton .
Não estou estou a criticar ninguem , simplesmente opinei , cada um é livre de se expressar . Abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: