Change We Need?

4 11 2008

Ben Smith aponta uma mudança: Bill RIchardson sem barba.

Anúncios




O endorsement de Bill Richardson

22 03 2008

E um ticket ObamaRichardson?

Sobre esta questão leia:

First a Tense Talk With Clinton, Then Richardson Backs Obama no New York Times





Boas Notícias para o Senador do Illinois

21 03 2008

Barack Obama vai hoje receber um apoio de peso: trata-se do Governador do Novo México, Bill Richardson.

Apesar de se consubstanciar como uma figura carismática entre o eleitorado hispânico, não deve ser intenção do Governador apelar a este segmento, mas sim antes chamar a atenção dos Superdelegados para o caminho que devem tomar.

Lembre-mo-nos, que se a intenção fosse captar os votos dos hispânicos, o Governador teria apoiado Barack Obama antes das primárias do Texas, por exemplo.

Numa mensagem de e-mail aos seus apoiantes, Richardson revela-se tocado pelo discurso de Obama concernente à questão racial. A mensagem que este notável, segundo a terminologia de Weber, do Partido Democrata pretenderá então passar é a de que chegou o tempo de tomar uma decisão.

Arrastar esta corrida apenas será como “dar um tiro no pé”. Foi esta uma das principais mensagens passadas na edição de ontem do “The Tonight Show”, onde um dos convidados foi o também ex-candidato presidencial John Edwards:

Muito se falou da relação do antigo Senador com Barack Obama… Mas nada foi anunciado. Estará para os próximos dias? Ou não será ainda o timing? Talvez mais próximo mais próximo do dia 22 de Abril, no qual se irão realizar as primárias da Pennsylvania. Note-se que se Barack conseguir ultrapassar a liderança de dois dígitos que Hillary detém neste Estado, poderá ser então o início da sua consagração, uma vez que as hipóteses de repetir Florida e Michigan se apresentam cada vez mais como inviáveis.

Neste último caso, favorece-se o Senador do Illinois, mas poder-se-á perder o mais importante para os Democratas, em geral: a eleição do dia 4 de Novembro de 2008.





Christopher Dodd anuncia

27 02 2008

O Senador do Connecticut anunciou o seu apoio ao, também Senador, Barack Obama. Trata-se do primeiro ex-candidato à nomeação democrata a dar o seu endorsement.

Será este um prenúncio do que poderá vir da parte de Joe Biden, Bill Richardson ou John Edwards?

Poderá ser o início do fim para Hillary Clinton? Decerto que não, pelo menos até ao anunciar dos resultados de dia 4 de Março no Texas, Ohio, Vermont e Rhode Island. Mas se estes não lhe forem claramente favoráveis será difícil contrariar o ascendente do seu rival, ainda para mais com o establishment democrata a virar as costas à ex primeira-dama.





Curiosidades do Merchandise de Campanha Presidenciais 2008

11 01 2008

Hugo Gaspar

A lógica que se encontra subjacente ao Merchandise de campanha nestas eleições é o de ser uma fonte de financiamento. Através das lojas online, é vendida uma panóplia de artigos, num grande esforço de angariação. Essa angariação, centrada no indivíduo torna-se transparente, esclarecida e pública, sendo regulada pela Federal Election Commission. O merchandise disponível é na maioria graficamente muito apelativo, com design moderno, centrado no nome e com mensagens simples.

Democratas

Analisando o site de cada um dos 6 candidatos Democratas nas Primárias realço o facto de os candidatos não deixarem de referir que os seus produtos são produzidos por empresas que têm trabalhadores sindicalizados, numa demonstração da força das “Union” nos EUA, que são uma prova que é possível um sindicalismo forte, responsável e construtivo, e que protege verdadeiramente os direitos dos trabalhadores, ao contrário do que infelizmente ocorre em Portugal.

Se em termos gráficos o merchandise é muito apelativo, a necessidade de diferenciação leva a situações curiosas.

Hillary Clinton – Lemas curiosos como “I Love Hillary”, “Hillary Cares About Me”, material apenas com a assinatura de Hillary, pins com a frase “I’m your Girl”. A excentricidade vem com a venda de “ice scrappers”, que é uma ferramenta para remover gelo do vidro dos automóveis, e ainda de porquinhos mealheiro.

Barack Obama – Vende o seu DVD de campanha, cada 1 por 12 dólares ou 5 por 50 dólares. Tem crachás e pins com a frase “Republicans for Obama”, numa tentativa de demonstração de abrangência, o presidente de todos os americanos. Vende ainda bolas para árvores de Natal, de diversas cores e diversos tamanhos…

John Edwards – Na sua loja podem ser adquiridos autocolantes muito coloridos para ser colados nos automóveis, mas que são de “fácil remoção”. Tapetes de rato e a novidade são os sacos para ir ao ginásio. Um pequeno aparte para apresentar outra grande diferença que nos separa culturalmente, que é o nível de exposição familiar. No site de John Edwards temos acesso aos livros favoritos da sua filha Cate, à música que esta ouve e ao seu diário.

Bill Richardson – Devido à sua ascendência e raízes mexicanas muito do material de campanha é dirigido a esta comunidade. Mensagens em castelhano e muito especificas “Mi familia con Bill Richardson”.

Dennis Kucinich – o seu merchandise é todo “union made and printed in the USA”. No material menos comum, temos um…cachecol para cão!

Mike Gravel – O mais fraco em termos de merchandise dos 6 candidatos democratas. Vende fotos suas (!) assinadas. Talvez o maior destaque da sua campanha seja ter recebido o apoio de Noam Chomsky.

Republicanos

A grande diferença entre Republicanos e Democratas é que a variedade de material é substancialmente maior, existindo no entanto um candidato (Duncan Hunter) que não tem loja online disponível. Ou se tem, não está visível o que certamente não lhe será vantajoso. O merchandise faz mais alusão a motivos patrióticos, e salvo raras excepções a campanha não é tão dirigida para as minorias. Novidade é também o elevado número de artigos para bebés, o que subliminarmente passa uma mensagem eficaz.

John McCain – É o único que não fixa o valor do merchandise. Existe sempre um valor sugerido (não sabemos se funciona apenas no sentido de se pagar mais, ou se é possível comprar o material por menos valor do que o sugerido). Tem à venda o DVD “Faith Of My Father’s” por 50 dólares, que é baseado na sua autobiografia, merecedora deste comentário no sitio da Amazon: “Books by politicians are not often worth reading, but John McCain’s Faith of My Fathers is an astonishing exception to the rule.”

Mike Huckabee – É o candidato com o merchandise mais cómico. Pins com o rosto de Chuck Norris e a frase “Chuck For Huck” ou outro com Huckabee a tocar guitarra eléctrica e a frase “Huckabee Rock”.

Rudy Giuliani – De longe o candidato com mais variedade, quer no material mais convencional quer nas curiosidades. Rudy oferece babetes, botões de punho, tacos de basebol (esperemos que a moda não pegue em Portugal), matrículas para automóvel, aventais de cozinha, bolas de golf, etc.

Fred Thompson – Além de bolas de golf, está disponível uma caixa com 6 pins, numa caixa de coleccionador limitada a 500 cópias. Disponibiliza também o livro “The Fred Factor”. Existe ainda material com a inscrição (de gosto duvidoso) “Fred Head”.

Mitt Romney – Babetes, botões de punho e luvas de basebol em esponja.

Ron Paul – Vende dois livros de sua autoria “Hope For America” e “A Foreign Policy of Freedom”. Encontram-se disponíveis diversas edições limitadas de pins, placas magnéticas para automóvel e muitos panfletos abordando diversas temáticas. Na loja de Ron Paul existe sempre uma advertência para que os seus apoiantes não afixem material na propriedade de terceiros, por motivos óbvios.

 





Discursos – 10/01/2008

11 01 2008

Para a transcrição do debate Republicano, veja aqui.

A desistência de Richardson aqui.





Bill Richardson desiste

10 01 2008

O Governador do Estado do Novo México, Bill Richardson, anunciou a sua desistência.

As razões apontadas prendem-se com a falta de votos e de dinheiro.

Richardson disse que não daria o seu apoio a qualquer dos candidatos democratas.

Mais uma nota: ainda não se sabe quem irão apoiar os desistentes Chris Dodd e Joe Biden.