Uma espécie de partido órfão

14 01 2008

João Esteves

Os partidos políticos precisam de uma referência que lhes sirva de elemento matricial para a sua caracterização ideológica e inspiração para a actividade política. E o Partido Republicano tem – na na figura histórica de Ronald Reagan.

Considero inegável a influência e o papel determinante do actor californiano convertido em Presidente para a afirmação dos EUA no contexto do mundo bipolar resultante da designada Guerra Fria, bem como para a recuperação da moral americana e respectiva economia.

Com efeito, Reagan surgiu numa conjuntura particularmente favorável à execução da sua política, com a assunção da “ revolução conservadora, de que é, juntamente com Margaret Thatcher, principal protagonista. No campo da defesa, impulsionou o conhecido programa Guerra das Estrelas, destinado a acentuar a supremacia militar norte – americana face ao armamento soviético e manter o equilíbrio pelo terror. Já no âmbito económico, promoveu a reagonomics, programa de recuperação económica que consistia, fundamentalmente, na redução dos impostos e um ênfase cada vez mais vincado na iniciativa privada.

Numa segunda fase, a sua política de desanuviamento, coincidindo com a chegada de Kruschev ao Kremlin, teve repercussões extremamente importantes para a definição de uma nova ordem geopolítica, com o subsequente desmembramento da União Soviética.

Dito isto, e não obstante o seu papel fulcral, penso que Reagan é sobrevalorizado no GOP. É censurável que os candidatos republicanos citem amiúde o seu melhor presidente das últimas décadas? Com certeza que não. Contudo, a sistemática evocação de Reagan revela – nos o estado actual do Partido Republicano.

De facto, se atentarmos no último debate promovido pela FOX NEWS na Carolina do Sul, os candidatos republicanos dedicaram um parte considerável do mesmo a tentar provar quem era mais ou menos reaganiano. O caminho deveria (teria de) ser outro – discutir as questões relevantes para todos os americanos, com o objectivo de ir cativando progressivamente mais eleitores, sobretudo independentes. Não nos esqueçamos que os Republicanos partem em desvantagem em relação aos democratas, fruto do legado da Administração Bush. O debate deveria, pois, ser mais vocacionado para o exterior – e não tanto para as hostes do GOP.

Se prosseguirem no mesmo caminho, o partido Republicano só revela (ou confirma) uma realidade – a vacuidade de ideias e a incapacidade actual de gerar lideranças dinâmicas e carismáticas.

A questão essencial que todos os republicanos deveriam fazer seria: por que foi e é tão importante Ronald Reagan para o nosso partido? Resposta a que facilmente chegariam: porque soube revitalizar o partido, delinear as suas prioridades, marcar a ruptura com as presidências republicanas precedentes quer de Hoover, quer de Eisenhower, quer de Nixon. E usar o seu carisma para persuadir os americanos a aderirem ao seu projecto político, a terem esperança no futuro.

Era de um candidato assim que o Partido Republicano precisava – que citasse Reagan menos e o seguisse mais na acção política. Atendendo aos actuais candidatos, devo reconhecer que o cenário não é muito auspicioso…

Em suma, o GOP parece um partido órfão de um líder carismático e galvanizador. Entretanto, continua a afogar as suas mágoas citando Reagan… Até quando?

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: